Casa do Oleiro

Casa do Oleiro


 
InícioPortalCalendárioGaleriaFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
Tópicos similares

Compartilhe | 
 

 Um jovem que lutava contra a hipocrisia de uma sociedade capitalista quase se perde para sempre

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Evangelista Maurício
Admin
avatar

Mensagens : 341
Data de inscrição : 07/01/2013
Idade : 59
Localização : Campos do Jordão - SP - BR

10032013
MensagemUm jovem que lutava contra a hipocrisia de uma sociedade capitalista quase se perde para sempre



Gadara era uma cidade extremamente capitalista, o apego ao materialismo prevalecia, ali pais e filhos seguiam nesta genética fria e calculista, multiplicava-se pessoas com este pensamento e de forma grave perdia-se a essência humana.

Os frutos desta sociedade doentia, que se preocupa mais com o capital, com o poder financeiro e bens, transparecia. Quem ousava ter sentimentos logo se perdia, acabava enchendo-se de mágoas, tristezas, ofensas, rancor, ódio pois no ambiente capitalista o que prevalece é a moeda de troca, as posses, a simulação, o ter e não o ser.

O jovem Gadareno, que talvez ousou pensar diferente, sentir, preferiu diante de tanta falsidade ir morar com os mortos, foi para os sepulcros, estes lhe pareciam mais sensatos, porque não suportava mais ser conivente com aquela sociedade hipócrita e fria. Foi viver sem máscaras, já que não havia amor, respeito, relacionamentos, olho nos olhos, sinceridade ou real interesse no ser. Era melhor já estar com os mortos, pois numa sociedade capitalista até o sorriso é um teatro.

Na mente dele, inicialmente, o intento era justo: libertar-se daquele ambiente tão desleal. Mas, em sua solidão, começou a desenvolver mágoas, tristezas, rancores, que habilitaram um mal na sua vida. Ele que, talvez, tinha todas as razões em suas reivindicações, alegações e entendimento, porque ressentiu-se do mal e acabou tornando-se um covil de demônios.

Cazuza cantava “os heróis morreram de overdose, e os meus inimigos estão no poder“, isto é, se não soubermos saber lutar contra o mal que domina as pessoas, a maldade, hipocrisia, falsidade, índole traiçoeira, acabaremos utilizando as armas erradas na guerra, e seremos tomados por sentimentos malignos, destrutivos que acabam sendo prejudiciais. E se ocorrer isso, acabamos morrendo de desgosto, dor ou overdose, fugindo de uma realidade injusta, enquanto os malignos, corruptores e traiçoeiros continuam a viver com poder.

Preste atenção, talvez quando resolvera romper com aquela sociedade hipócrita, capitalista, interesseira, que alimentava somente seus porcos, ou seja seus interesses cobiçosos, sem pensar no próximo, ele até saiu como um jovem esperançoso, por amor, relacionamentos estáveis, humanos. Poderia ser um revolucionário, um rebelde que carregava em sua alma uma bandeira da verdade, sonhos reais, vida sem máscara. Mas os sentimentos negativos que desenvolveu, talvez por mágoas diante de tantos esquemas, tanta manipulação, sordidez envolvendo dinheiro, tudo que presenciou, gerou nele um sentimento que permitiu entrar em seu coração demônios.

“E chegaram ao outro lado do mar, à província dos gadarenos.
E, saindo ele do barco, lhe saiu logo ao seu encontro, dos sepulcros, um homem com espírito imundo;
O qual tinha a sua morada nos sepulcros, e nem ainda com cadeias o podia alguém prender
Marcos 5:1-3

Muitas vezes nos movemos baseando-se em verdades, entretanto, precisamos avaliar e vigiar quanto aos nossos sentimentos, pois embora as razões sejam corretas, entretanto, se permitimos o sentimento maligno entrar em nossos corações, nos tornamos vítimas de ações demoníacas, já que estamos lutando sozinho contra um mal que tem vencido durante séculos as vidas.

No mundo capitalista, não há tempo para perder-se com o humano. Não atendeu as expectativas, descarta-se, elimina-se. Não rendeu, corta-se. E aquele jovem acaba tornando-se um refém, um problema. Não produzia rendas, não aderia aos esquemas, era um imprestável na visão humana, não ajuntava riquezas. E ele, por sua vez, insatisfeito com aquela sociedade interesseira, não se deixou engaiolar pelos dilemas. Acabou tornando-se, em seu sentimento revolucionador, alguém indomável. Ninguém conseguia amansá-lo. Não conseguiam colocá-lo no esquadro, moldá-lo como sempre foi feito com todos os homens de Gadara, escravos dos bens e posses.

Porque, tendo sido muitas vezes preso com grilhões e cadeias, as cadeias foram por ele feitas em pedaços, e os grilhões em migalhas, e ninguém o podia amansar.
E andava sempre, de dia e de noite, clamando pelos montes, e pelos sepulcros, e ferindo-se com pedras (Marcos 5:1-5).

Ele tinha ideais maiores, quando negara a ser mais um dominado pelo dinheiro, medido pelo status, valorizado pela posse, manipulado pelo poder financeiro, avaliado pela aparência que ostentava e cercado por interesseiros; porém com todo seu ideal visionário, de não misturar-se, de não tornar-se mais um manipulado, ele se deixou dominar pelo mal. Talvez o ódio entrou em sua alma, por ver tantos homens compráveis e vendidos, e isso permitiu que muitos demônios tivessem lugar e espaço em sua vida.

“E Jesus logo lho permitiu. E, saindo aqueles espíritos imundos, entraram nos porcos; e a manada se precipitou por um despenhadeiro no mar (eram quase dois mil), e afogaram-se no mar“ (Marcos 5:13).

Imagina quase dois mil demônios, habitavam naquele jovem gadareno, que tentara romper com aquela sociedade que via a posse como a razão de tudo. O que será que ele sofrera, para encher-se de tanto mal? Injustiças, desprezo, roubos, fraudes, traições? Não importa o mal que havia naquela sociedade. O problema foi que ele deixou o mal que havia naqueles deformá-lo, lutando contra o grande mal que via, acabou sendo vencido por ele.

Há uma frase que diz: “quando enfrentamos monstros, devemos tomar cuidado para não nos convertermos neles!”

Tantas intempéries, desilusões, traições, decepções, amargores, destratos, humilhações. Tantas acusações e falsidade ele presenciou em meio àquela sociedade gananciosa e fútil que a morte o alcançou. A maldade, hostilidade, miséria humana o atingira. Nietzsche afirmava que quando olhamos para o “abismo”, ele também nos olha.

Aquele jovem estava insurgindo-se ou rebelando-se contra um mal que dominara aquela cidade desde sempre, mas ele acabou sendo vencido por ela. Não conseguindo preservar-se interiormente devido a tanta injustiça, pela mágoa, ódio, obstinação, foi tomado pela escuridão. Porém, em meio a tanta turbulência, e possessão, sua integridade e bom coração possibilitava que lhe viessem à tona instantes de lucidez, os quais permitiram que ele corresse ao encontro do seu milagre:

E, quando viu Jesus ao longe, correu e adorou-o (Marcos 5:1-6).

Certamente aquele jovem vivia dominado pela angústia, por causa dos destratos e descartes por não ostentar e ter o interesse financeiro. E os demônios que nele habitavam alimentavam aquela alma aflita e decepcionada. Sim, o mal alimentava-o aproveitando-se do seu repúdio, mas deturpando os seus sentidos. Todavia, aquele jovem sabia o que queria. Buscava o verdadeiro amor, buscava a verdade, buscava o fim das máscaras, o fim dos sorrisos fingidos, o fim das simulações, o valorizar da essência e não da aparência, buscava relacionamentos sinceros.

E quando ele vê Jesus, ele vê tudo aquilo que ansiava, tudo aquilo que ele esperava, tudo que sua alma desejava e cria que podia existir: amor, sentimentos sinceros, verdade, justiça, paz. E este que era o indomável, pois não se submetia àquela sociedade. Para ele, ter dinheiro não era sinônimo de felicidade. Para ele, relacionar-se envolvia alma e sentimentos, e não interesses. Para ele, as pessoas eram iguais, independente de suas posses e, por isso, não precisava ficar vendido ou viver hipocritamente diante delas. Ele vê em Jesus a realização dos seus sonhos. E como era raro em sua cidade, ele enxerga um homem poderoso, despido dos valores mundanos, mas cheio dos valores eternos e sinceros - tudo aquilo que ele sempre sonhava encontrar e acreditava ser o certo, mas em seu habitat materialista nunca poderia ser compreendido.

Os gadarenos tinham as mesmas características, e os seus filhos idem: eram materialistas, totalmente corruptíveis, valorizavam o que é perecível e
hostilizavam o que é verdadeiro e eterno.

Alimentavam seus porcos, seus egos, seus interesses cobiçosos e se dispunham a tudo pelas suas ambições. Não havia regras para os gadarenos, o que importava era a renda. Corrupção, fraude, roubo de posses. Nada importa desde que haja multiplicação, dinheiro, posses - esta é a regra básica, e seus filhos entendem muito bem. Detalhe importante: um gadareno gerava filhos nestes mesmos esquemas. Logo, um filho de gadareno não pode negar sua essência, pois é visível. Ainda que se intitulem ter outra paternidade, pelos atos são conhecidos: corrompidos, manipuladores, gananciosos.

Diante do encontro daquele jovem com Jesus, todo o mal que há nele entra nos porcos, ou seja, os bens são tocados. Os donos dos porcos encontram o jovem curado, limpo, estável. Mas como isso não é importante para eles, fazem uma arruaça pela cidade, ajuntando todos os gadarenos, todos aqueles que tem o mesmo coração capitalista. E estes, vendo que tiveram perdas em seus bens, vendo que suas propriedades poderiam ser atingidas de alguma forma ou mais ainda, prontamente colocam Jesus para fora. Afinal, o importante para estes em seus corações gananciosos e corruptos é a posse financeira e material, alheia ao homem e a qualquer compromisso com a eternidade.

E foram ter com Jesus, e viram o endemoninhado, o que tivera a legião, assentado, vestido e em perfeito juízo, e temeram.
E os que aquilo tinham visto contaram-lhes o que acontecera ao endemoninhado, e acerca dos porcos.
E começaram a rogar-lhe que saísse dos seus termos.“
Marcos 5:14-17

Os gadarenos não são espirituais, mas são carnais. Apegados a dinheiro ou a posses, não medem consequências para se dar bem. Quem sair dos padrões apregoados de rentabilidade a qualquer custo, logo será expurgado. O próprio Jesus com sua verdade, amor, justiça, não é desejado, pois, sua santa presença pode atrapalhar os negócios. Sua verdade pode afastar clientes, sua justiça pode atrapalhar os esquemas de fraudes e corrupções. Sua fidelidade atrapalharia os planos de traições, manipulações e perseguições.

Perceba: um gadareno é um gadareno e seus filhos são e sempre serão seus filhos. Os métodos assimilados desde a formação são os mesmos. Um filho de gadareno para deixar de ser, precisa nascer de novo, e recomeçar com Cristo simplesmente, tornando-se um filho de Deus.

Ou seja, um filho de gadareno, sempre será um filho de gadareno a não ser que este venha a se converter. Ainda que ele alegue ter outra filiação, o que ele herdou em sua essência de corrupção não se perdeu. E os seus métodos, trabalhos, meios de posse são os mesmos adquiridos na formação, ou seja, com traições, manipulações, fraudes e corrupção.

O jovem que não estava naquele esquema, queria ir embora de Gadara. Ele não tinha ligação com aquilo, seu coração não era daquela forma e por isso ele nunca foi aceito por eles, e sempre lutara contra e se afastara daquela estrutura.

Porém, Jesus não permitiu que esse jovem o seguisse, mas que permanecesse ali, no meio dos gadarenos, e ali apregoasse o verdadeiro e eterno tesouro celestial, a glória de Deus. Aquele jovem deveria ficar para, começando por sua família, mostrar uma outra realidade, diferente da tão apregoada - que o dinheiro é mais importante que a humanidade, que as posses são os maiores bens de um homem, e que um homem deve ser avaliado pelo que tem em seu exterior e não pelo seu interior.

As palavras daquele jovem que sempre viveu marginalizado, impressionou e maravilhou. Ele falava de valores eternos. Ele falava do reino dos céus. Ele falava de Jesus, valor eterno, bem maior. Ele falava com amor, vida e alegria de algo que estava acima do poder, do dinheiro e da fama. Ele era desprendido e limpo. E isso impressionou a todos os ouvintes:

“E, entrando ele no barco, rogava-lhe o que fora endemoninhado que o deixasse estar com ele.
Jesus, porém, não lho permitiu, mas disse-lhe: Vai para tua casa, para os teus, e anuncia-lhes quão grandes coisas o Senhor te fez, e como teve misericórdia de ti.
E ele foi, e começou a anunciar em Decápolis quão grandes coisas Jesus lhe fizera; e todos se maravilharam.“
Marcos 5:18-20

Acordei com o Espírito Santo me falando assim: um filho de gadareno sempre será gadareno. Sua essência é gananciosa, traiçoeira e corrupta. Ainda que neguem tal filiação seus frutos de corrupção falam por si.

www.gospel10.com
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://casadooleiro.livreforum.com

 Tópicos similares

-
» Xuxa abre Guerra contra Google
» Protegendo selos e coleções contra a umidade
» Processo ganho contra a Sony (PS4 importado - tutorial)
» [ARMA 3] A GM6 Lynx é efetiva contra QUAIS partes de um tanque?
» Ataque nuclear contra o Brasil: quais cidades? Além de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo
Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

Um jovem que lutava contra a hipocrisia de uma sociedade capitalista quase se perde para sempre :: Comentários

Nenhum comentário.
 

Um jovem que lutava contra a hipocrisia de uma sociedade capitalista quase se perde para sempre

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 

Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Casa do Oleiro :: Casa do Oleiro :: Flor de Farinha-
Ir para: